domingo, 9 de outubro de 2011

Onde está o Técnico de Segurança do Trabalho?

      Essa é a pergunta básica quando acontece algum incidente ou acidente no local de trabalho: onde está o técnico de segurança do trabalho? 
Podemos dar o melhor de nós, fazer todos os procedimentos de segurança para o trabalhador, implementar melhorias de prevenção e monitorar os riscos, mas sempre somos cobrados.
  Ser técnico de segurança do trabalho requer assumir responsabilidades, treinar os trabalhadores, estudar muito e documentar tudo. Se, por um acaso, a empresa receber a visita do fiscal do trabalho tudo deve estar de acordo com a norma. Além disso, caso haja uma fatalidade ou acidente, temos como comprovar que todos os procedimentos de segurança do trabalho está atuante. Caso contrário, o técnico de segurança pode responder civil e criminalmente.
      Temos que trabalhar com afinco. Não para fugir da ameaça de responder perante a justiça; mas sim, porque a profissão é focado no objetivo único: promover a saúde e proteger a integridade física do trabalhador.

      Praticamente somos os olhos dos trabalhadores. Possuímos, através de muitos estudos, a visão que muitos trabalhadores não tem: são os riscos, os perigos, os limites de tolerância dos agentes, a antecipação e outros.
      Uma coisa que não podemos esperar é o reconhecimento. Pode ser que muitos profissionais trabalham na espera de um reconhecimento. Seja uma promoção, um presente do empregador, uns dias de folga, uma garrafa de Uísque, enfim. Isso pode acontecer; mas que não trabalhemos em favor disso. Pois o cérebro pode se acostumar com tal reconhecimento e, no dia em que você não o receber, pode por em risco a vida dos trabalhadores. Pois muitos podem deixar de cumprir com a sua obrigação: proteger a saúde do trabalhador.
      Tenho sempre comigo dois elementos que medem a minha responsabilidade técnica dentro de uma organização: a reclamação e o elogio. Se recebo alguma reclamação, algo não está indo bem. Logo, preciso melhorar. 
Se recebo um elogio, sei que estou no caminho certo; mas ainda não é suficiente. Quando somos elogiados pensamos na melhoria contínua. Ao contrário que muitos pensam. Há pessoas que quando são elogiadas deixam de fazer melhorias no processo. O resultado: os problemas voltam à tona.
      Temos estudantes que desistem do curso de Técnico de Segurança do Trabalho porque tem medo de ver sangue. Isso é uma opinião de cada um. 
Na minha concepção é uma opinião errônea. Pois, os cursos formam profissionais que antecipam o  perigo. A palavra antecipar, em uma linguagem acessível a todos, nada mais é do que prever o que estar por vir. Se visamos que tal perigo possa acontecer podemos evitá-lo por meio da prevenção. Logo, não haverá sangue. E caso venha a aconteçer será um fato isolado.
Quando um estudante desiste do curso por medo de ver sangue, talvez a sua visão prevencionista ainda não está aguçada ou o(a) estudante não está satisfeito(a) com a futura profissão.
      Não espere reconhecimento. Ser Técnico de Segurança do Trabalho é doar-se. É caridade e amor ao próximo. Caso não esteja contente com o salário que ganha prefira que saia sem expor a vida dos trabalhadores a riscos. Deste modo está prevenindo problemas com acidentes de trabalhadores e julgamentos judiciais. 
      Se algum acidente ou incidente acontecer, algum trabalhador pode perguntar: onde está o técnico de segurança do trabalho? 
Mas a empresa e a maioria dos trabalhadores podem dizer: trabalhando pela prevenção de todos! 
Para que a resposta seja positiva precisamos trabalhar e estudar muito a favor da segurança no trabalho. Deste modo podemos dizer que o acidente ou incidente foi um fato isolado. Por mais que trabalhemos em prol da segurança, infelizmente, alguns trabalhadores rejeitam. 
Faça a sua parte.

2 comentários:

  1. Muito bom o texto.
    Esperar reconhecimento é algo fora de questão. Afinal, ninguém vê quando o Técnico acerta, mas quando ele erra todos querem tirar uma casquinha.
    Nessa profissão só fica quem tem vocação, quem sabe servir. Quem não sabe servir não consegue nem entregar EPIs, tem medo de ser "incomodado" pelo trabalhador. A verdade é essa!

    Abraços

    ResponderExcluir
  2. Comecei a implantar o SESMT há um mês em uma grande empresa de construção civil e já tenho visto uma melhora considerável no que diz respeito à segurança do trabalho nesta empresa.
    Quando comecei o trabalho eu pensei que fosse impossível que melhorasse alguma coisa ali, tanto pela falta de segurança em que se encontrava a empresa, como pela falta de conscientização do empregador.
    não desanimei e hoje vejo as coisas mudarem, uma após a outra.
    O que quero dizer com isso que oque fez com que eu continuasse ali foi o amor às vidas e ao meu trabalho.
    Não podemos nos esquecer que além de tudo isso um bom técnico é também um negociador... Q Deus abençoe os T.S.T.

    ResponderExcluir

Agradeço a sua participação no Blog Zero Acidentes!